sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Douro e Lamego...O mesmo Poema

ALI PASSAVA UM RIO

AQUI  ERGUEU-SE  UM  TEMPLO




Uma só voz bastava para formar um coro
palavras dispersas no chão em estendal
alargado até perder de vista
ao alcance de todos os sentidos
de todos os caminhos sinal de quantas águas
 que poço de memórias e segredos
por mim viessem correr

Aqui passava um rio...

*
Uma só voz bastava para cantar o hino
que no lastro de uma vida acomodada
ao avesso das coisas ao tamanho de horizontes
onde o mundo se alarga em sóis e neblinas
fosse ainda a sobra de qualquer madrugada
cujo feitiço transbordasse para além do tempo

Aqui brilhava um astro

*
Uma só voz bastava para contar a história
das dores e alegrias de quantas histórias
 se cruzassem em turbilhão de afectos
a vida em socalcos requebrados 
de trabalhos e canseiras
num prodígio de natural deslumbramento
em cenário inviolável aos horizontes do querer

Aqui ria uma fonte

*
( ... )



( ... )

Uma só voz bastava que relembrasse a História
das pedras milenares
heranças e oferendas espalhadas
para depois se encontrarem no orgulho
porque é assim que se fala do passado
o sangue e a esperança no estandarte
desfraldado de tanta fidalguia
numa idade entre a vida e a morte
que não ousa repetir o que já foi escrito

Aqui era um cipreste

*
Uma só voz bastava a sugerir a dureza
na força expressiva das pedras
dos montes e dos caminhos
lugares onde a verdade é rude
e outra gente a nossa gente
abre portas de lés-a-lés
e à beirinha do nada silencioso
vai mastigando sem gosto e sem pressa
o sabor sem fruto duma vida 
mascarada de todos os rigores

Aqui cresciam cardos

*  
Uma só voz bastava  para o fervor da prece
que avassala de fé o coração da terra
e se transforma em lágrima e emoção
sorriso puro de encantamento
 lábio trémulo de respeito e gratidão
quando os socalcos requebrados de incertezas
se desdobram em cascata de farturas
 jardim florido de inocências e alegrias
e a altivez se desnuda em humildade
nas palavras do salmo e no sentir da alma

Aqui ergueu-se um templo...

*



                           Autora  - Aurora Simões de Matos




( Excerto do poema "Vozes de sol e chuva"

no livro VOZES DO DOURO ...Antologia de textos durienses
2003
Edição da Câmara Municipal de Lamego 

2 comentários:

Anónimo disse...

Querida Aurora,

Os socalcos que avistam o rio são agora a escadaria que nos transporta à cidade, numa panorâmica límpida e azulada, com o verde que tão bem carateriza Lamego.
Ou não será o escadório do santuário nada mais que um rio que sempre corre com a água benzida da Senhora dos Remédios?

Obrigada pelas palavras que nos fazem refletir.

Isilda Lourenço Afonso

Aurora Simões de Matos disse...

Querida Isilda
Obrigada pela sua análise tão lúcida quanto poética,baseada em conceitos tão reais quanto oníricos.

Grande abraço

Aurora