quarta-feira, 26 de junho de 2013

HINO DE CASTRO DAIRE



                    HINO  "CANTO A CASTRO DAIRE"

                            APRESENTAÇÃO OFICIAL 

                   CENTRO MUNICIPAL DE CULTURA

                                22 DE JUNHO DE 2013

          PELA BANDA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS
                                    DE CASTRO DAIRE

                              DIRIGIDA PELO MAESTRO,

                             PROFESSOR JOEL MONTEIRO

                      


AUTORA DA LETRA....AURORA SIMÕES DE MATOS

AUTOR DA MÚSICA.....JOEL MONTEIRO

ORQUESTRAÇÃO......JOEL MONTEIRO





Vídeo do Hino







Banda de Música dos Bombeiros Voluntários de Castro Daire




A Banda, em plena execução do Hino

Vozes de Catarina Parente e Beatriz Ferreira






Aurora Simões de Matos e o Maestro Joel Monteiro
autores da Letra e da Música







A Banda, com os autores da Letra e da Música



HINO

CANTO A CASTRO DAIRE

Os ares do Montemuro respirei
Nas águas deste Paiva me encantei
Por encostas de xisto fiz meu lar
À sombra do granito fui rezar

Em fontes cristalinas refresquei
Do sol abrasador com que crestei
Ao lume me aconcheguei na lareira 
Quando a neve cobriu a serra inteira

Em fresca de ribeiros me banhei
Nos montes meu rebanho apascentei
Os pinheirais ouviram-me o lamento
Por milheirais lancei canções ao vento

Com fuso e roca mil noites fiei
Dores de linho e lã muito beijei
Na mó de meus moinhos se calcaram
As saudades de quantos me deixaram

Em carreiros da serra tropecei
Pela ajuda de Deus me levantei
O amor com que piso este meu chão
Da terra abençoada arranca o pão

No meio deste Povo me criei
E sempre que parti aqui voltei
Com ternura me orgulho da raiz
Que me sustenta o ser e faz feliz

                       * Aurora Simões de Matos

                                      



Aurora Simões de Matos no uso da palavra







                                    * Aurora Simões de Matos





segunda-feira, 24 de junho de 2013

AOS SANTOS POPULARES


                              QUADRAS  AO  S. JOÃO

                       


Autoria  ---  Aurora Simões de Matos




Nos três Santos Populares
Que são os Reis da Alegria
Há tristezas escondidas
Em balões de nostalgia


Escondi no manjerico
Um segredo perfumado
Na noite de S. João
Vou dá-lo ao meu namorado


Com arquinhos e balões
 Enfeitei a minha rua
Para esta noite ligar
A minha janela à tua


Nas voltas que a vida dá
Encontrei sempre maneira
De contigo me encontrar
Numa rusga a noite inteira


Na noite de S. João
Sempre igual sempre diferente
Confundem-se as alegrias
Com a tristeza da gente


Um trevo de quatro folhas
Ganhei eu da tua mão
Minha sorte foi achar-te
Na noite de S. João


Da minha janela à tua
São dois lanços de balão
Nele te enviei num só sopro
Escondido o coração


Tentei dar com o alho porro
Um beijo no meu amor
Mas ao tocar-lhe perdi-o
Nem lhe senti o sabor


Nas voltas que a vida dá
Encontrei sempre maneira
De queimar os meus desgostos
Nas chamas duma fogueira


Cada canto da cidade
Enlouqueceu de magia
É o S. João do Porto
A rebentar de alegria


S. João sorriu da crise
O mesmo fez Santo António
S. Pedro fechou-lhe a porta
Não quer no céu tal demónio


Dos três Santos Populares
É S. João quem me apraz
Da Ribeira às Fontainhas
Ou na Praça tanto faz


Andam aromas no ar
A febras e a sardinha
No gosto que a vida tem
Delícias que são só minhas


Procurei por todo o lado
Alfazema ou rosmaninho
Mas só encontrei surpresas
No bater do martelinho


A noite de S. João
É festa de manjericos
No salto de uma fogueira
Esbanjei dois namoricos


Depois de tanta folia
Ao romper da madrugada
S. João caiu de sono
À fresca de uma orvalhada


Numa rusga a noite inteira
Dancei eu certa canção
Acordei rota na praia
A rezar uma oração



Autora: Aurora Simões de Matos

quarta-feira, 19 de junho de 2013

CASTRO DAIRE_____ POEMA E IMAGENS


                                 CASTRO  DAIRE   
                       
                                 Sede do concelho onde nasci








  
                    SALVÉ, PRINCESA DA SERRA !!!



 De "Princesa da Serra" és conhecida
 Por tua pose altiva,doce e bela.
 Do mais hábil pintor és aguarela
 Inundada da cor que te dá vida...

 Tens a robustez dura dos penedos
 De que são feitos os corpos sadios.
 Tens a verdade dos montes bravios
 E tens o vento a contar segredos...

 Tua mãe, a Rainha Natureza
 Deixou-te dote de rara grandeza,
 Na força agreste, o labor como herança...

  Os olhos dos teus filhos em redor
  Revêem-se orgulhosos no amor
  Que lhes inspira a tua lembrança...


                                                                   Aurora Simões de Matos


                                      

                                           

                                                              Jardim Público



                                           



                                                 Igreja Matriz de S. Pedro de Castro Daire





                                                                  Escola Secundária




                                                                 Hotel Montemuro





                                                              Capela das Carrancas





                                                               Biblioteca Municipal









                                     Serra do Montemuro   
                                    

                        

                                          Rio Paiva

        
(imagens da net)        

domingo, 16 de junho de 2013

AS CORES DA SERRA....POEMA


                                              AS CORES DA SERRA





Todos  os anos na Primavera,
a serra veste o seu vestido verde
e faz um novo penteado de hera...
                           




                            Todos os anos em fins de Verão,
                             a serra  troca o seu vestido verde
                             por cores doiradas que lembram o pão...





                             Quando o Outono cai pela encosta,
                              a serra veste de tons multicores
                              o vestido de que ela mais gosta...

                 


                         Quando a serra quer vestir de branco
                          e festejar seu tempo de noivado,
                          a neve empresta-lhe o seu alvo manto...


(fotos da net)


                                                        Aurora Simões de Matos



segunda-feira, 10 de junho de 2013

TERTÚLIA LITERÁRIA


                      TERTÚLIA LITERÁRIA EM LAMEGO

                          COORDENAÇÃO DE AURORA SIMÕES DE MATOS


                                                       TEMA :  EUGÉNIO DE ANDRADE






                                               Drs. António Martins e Eduardo Leal

                                                             os dois oradores da noite


 

Aurora e Dr. José Pessoa





                

               ATÉ AMANHÃ



Sei agora como nasceu a alegria,


como nasce o vento entre barcos de papel,


como nasce a água ou o amor


quando a juventude não é uma lágrima.



É primeiro só um rumor de espuma


à roda do corpo que desperta,

sílaba espessa, beijo acumulado,

amanhecer de pássaros no sangue.



É subitamente um grito,


um grito apertado nos dentes,


galope de cavalos num horizonte 

onde o mar é diurno e sem palavras.



Falei de tudo quanto amei.


De coisas que te dou

para que tu as ames comigo:

a juventude, o vento e as areias.


                                                     Eugénio de Andrade








Nelinha Barros


Dra. Jacira Galhardo



A jovem Poetisa BÁRBARA CARRULO


                                                                        Dra. Isilda Afonso



                                                                    
                                                                       Dra. Manuela Vaquero



                                                      Dra.Maria do Sacramento Matos




                            Aurora Simões de Matos


















quarta-feira, 5 de junho de 2013

O PASTOR DA SERRA......POEMA

                                 

                                                          O PASTOR DA SERRA




                                                                                                                                       Imagem da net


Dá-me a água do cantil que trazes a tiracolo...
Dá-me a bucha do bornal
e não me leves a mal
que te peça para mim o burel e o cotim 
desse modo de vestir
com que passeias o monte por longos dias sem fim...

Dá-me a flauta de cana e a música com que enfeitas
as horas mortas que deitas nesse chão que não te engana...

Dá-me o sol e dá-me a chuva do tempo agreste em teu rosto,
dá-me manhãs de fescura e trindades ao sol posto...

Dá-me teus vãos pensamentos sem destino, vagabundos,
e dá-me o silvo dos ventos e a sombra dos vales profundos...

Dá-me o teu tempo sem fim, que o quero para mim,
e se puderes, dá-me os mundos que trazes nos sentimentos...

Dá-me tudo o que te peço e mesmo o que te não peço
mas ainda pra dar tens
quando vais e quando vens por todos esses caminhos 
de lendários carreirinhos 
que se perdem na memória
e a serra esconde em seu rosto e tu percorres por gosto
dessa vida re...pe...ti...da...
de gestos gastos......sem história...



Ti Zé da Virgínia com a sua flauta


                                                 Aurora Simões de Matos

sábado, 1 de junho de 2013

LENDAS BRANCAS (POEMA )



POEMA




                                      LENDAS BRANCAS


No instante do olhar sem brilho
qualquer palavra acabará sem voz...

As horas trémulas onde o frio se demora
a desfazer marcas de viagens sem regresso
virão vestidas da mesma cor
que as rosas onde habitam lendas brancas...


                                        Aurora Simões de Matos