segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

POEMA DE AURORA SIMÕES DE MATOS - HORAS FRIAS



HORAS FRIAS


2 comentários:

Maria Irene Bernardo Cardoso disse...

Minha Ex.ma Amiga
Senhora Professora Dona Aurora Simões de Matos:
De tão expressivo, este poema dói; dói no fundo da alma em ondas de impotência para acabar com o sofrimento atroz de certas vidas. E foram muitas (e são muitas) as vidas destroçadas de Mulheres que se agigantam como Heroínas! Para quando a Paz, a Alegria, a realização pessoal, familiar e comunitária?Para quando um Mundo Novo?
Parabéns pelo seu olhar lúcido e atento, sofrido por estas Heroínas. Parabéns pela beleza ( o belo horrivel) do poema.
Maria Irene

Aurora Simões de Matos disse...

Minha querida Amiga, Senhora Dra. Maria Irene

É sempre com enorme prazer e orgulho que leio as mensagens com os pareceres com que, generosamente, vai brindando os meus humildes escritos.
Não me espanta o discurso belíssimo nem o português perfeito de uma especialista na Língua-Mãe.
Não me é estranho o modo sensível e sempre emocionado como se refere aos seres mais frágeis que sempre povoaram e hão-de povoar de dor os corações bem formados.
O que me comove nas palavras da minha Amiga é o apoio incondicional com que me presenteia nos seus comentários que tanto prezo.
Muito obrigada e que a Vida lhe sopre brisas favoráveis.

O meu beijo agradecido.
Aurora