quarta-feira, 26 de setembro de 2012


Rezas, responsos e benzeduras

Práticas da beira-Paiva





Embora sem a importância e a prática de que gozaram no passado, ainda hoje se procuram aqueles que, quase sempre por via da tradição oral, aprenderam palavras mágicas e seculares que, aliadas à religião, à superstição e a certos rituais, se acredita serem capazes de aliviar ou resolver certos problemas, quase sempre ligados à doença ou ao espiritual.

São fórmulas muito simples e ingénuas que, proferidas com toda a convicção e acompanhadas de orações, ajudarão a consolidar um imaginário muito ligado ao sobrenatural e oferecem a solução mais primária para os males de quem nelas acredita.

Embora não sabendo ler nem escrever, havia quem decorasse longas rezas, quase sempre num português adulterado, que eram transmitidas através das gerações e retidas por alguns curiosos destas crenças e magias, que as usavam como pretexto para ajudar os outros.

Hoje, já muito poucos idosos conservam na memória estas fórmulas e poucos são também os que a elas recorrem. Todavia, elas fazem parte da espiritualidade, em práticas ancestrais da nossa gente.

Eis alguns exemplos dessas rezas, responsos e benzeduras e também de orações recitadas em momentos especiais:



Para a Ciática                                                          

Sai-te daqui, que fazes aqui,
que estás aqui a fazer?
Secaste-me a carne, rilhaste-me os ossos.
Para que não seque a carne
nem rilhes os ossos,
rosa florosa, que pelo mundo andas,
deste a minha mão à palma
para que com estas santas orações
sejas moída e derretida
como sal em água fria.
Em louvor de S. Gonçalo
esta (perna) sararia.

(Pai Nosso e Avé Maria)
(reza-se durante nove dias seguidos, ao pôr- do-sol)




Para a dada da mama
Bom homem me deu pousada
má mulher me fez a cama
sobre vides sobre lama
sai-te dada desta mama.
(reza-se 9 vezes fazendo cruzes com um pente sobre
a mama inchada e vermelha da mulher que amamenta)



Para a icterícia
Quando Jesus nasceu
No rio Jordão se meteu
Seus discípulos lhe pediram
Que os livrasse da tricha
Da lixa, da licança
Com o poder de Deus
Este servo (dizer o nome da pessoa) sararia.

(Pai Nosso e Avé Maria)













Para o aberto  
                                                                                                       
Eu coso em louvor de S. Frutoso
Se é nervo torto, torna ao teu posto
Se é carne quebrada, torna à tua casa
Em louvor da Virgem Maria

(Pai Nosso e Avé Maria)



Para o quebranto                                                                       
(dizer o nome da pessoa)
Cobranto te deu, cobranto te daria
Talho eu e a Virgem Maria
As pessoas da Santíssima Trindade querem e podem
Este mal donde veio para lá torne.

(Pai Nosso e Avé Maria)
(reza-se três vezes, enquanto se deitam brasas
acesas numa tigela com água. No fim, deita-se tudo num ribeiro.)


Para o unheiro ou terçogo

Se é unheiro eu te talho e retalho
em louvor de Nossa Senhora do Rosário
assim como a Nossa Senhora foi Virgem
no parto e depois do parto. Amem.

(Pai Nosso e Avé Maria)
( três vezes)



Responso

(Pedindo protecção para uma pessoa)
(Diz-se o nome da pessoa) fora da tua casa andas,
Deus ande na tua companhia.
Nosso Senhor que é teu pai, Nossa Senhora tua mãe,
com as armas de Cristo andes armado,
com as de S. Pedro bem guardado,
para que não sejas preso nem morto
nem ferido nem maltratado
nem nas ondas do mar afogado
nem teu sangue corrompido
nem a tua alma caia em pecado,
justo juízo final.
Filho da Virgem Maria,
no Campo de Jurafia foste jurado,
pede por ele (dizer o nome da pessoa).
Assim disse Jesus pelos seus discípulos
e assim Ele diga por nós. Amem.
Temos olhos e não nos vimos,
temos pernas e não nos alcançaremos,
para que ninguém se possa rir
nem vingar de nós. Amem.



Oração da trovoada                                                           
Santa Bárbora se vestiu e calçou
seu caminho andou
Nosso Senhor encontrou
- Onde vais, Bárbora?
- Vou abrandar a trovoada
que no monte anda armada.
- Vai, vai, Barborinha, vai,
leva-a a monte maninho
onde não haja pão nem vinho
nem bafinho de menino
nem gente de cristandade.
Valha-nos o verbo divino
e as três pessoas da Santíssima Trindade.
(reza-se enquanto ardem na lareira algumas
hastes de ramos benzidos no Domingo de Ramos)




Oração do pesadelo
São Bartolomeu me disse
que dormisse e descansasse
que nenhum medo tomasse
nem à anda nem à varanda
nem ao pesadelo da mão furada.
Quatro cantos tem a casa,
quatro anjos a guardá-la:
S.Lucas, S. Mateus, S. Pedro e S. Tiago.
Entrego-me a Deus
e arrenego o diabo.


Responso a Santo António                                           
Milagroso Santo António
em Lisboa fostes armado
em França fostes visitado
em Roma condecorado
à porta de Santa Paulina
todos os peixes do mar se levantaram
para ouvir a sua santa pregação.
Santo António se deitou
Santo António se levantou
Santo António se lavou
e ao seu lencinho se limpou:
-António, aonde vais?
- Senhora- ele respondeu!
- Não irás, que eu ao Céu subirei
e tu na terra ficarás
com teu hábito que vestiste.
Assim como livraste teu pai
de sete sentenças falsas
assim nos livres a nós
de todos os males.

(Pai Nosso e Ave Maria)

















Responso

(Pedindo protecção para o gado)                                              
Guarda o meu gado
bem guardadinho
que eu corto-te o rabo
com o dedo mindinho.
( dizia-se e fazia-se no monte aos gatafanhos pequeninos).



Oração ao levantar

Padre Nosso Pequenino
Padre Nosso pequenino
Quando Deus era menino
Quem o deu, quem o daria
Foi o Filho da Virgem Maria.
Cruz no monte, Cruz na fonte,
Todos os santos se encontrem,
Quer de noite quer de dia,
Quer à hora do meio-dia.
Já os galos cantam,
Já os anjinhos se levantam,
Já o Senhor vai para a Cruz
Para a minha alma ver a luz
Para sempre Amem Jesus.






Oração ao deitar      
                                                                                   
Nesta caminha me deitei
Sete anjinhos encontrei
Três aos pés, quatro à cabeceira,
Nossa Senhora na dianteira.
Nossa Senhora me disse
( dizer o próprio nome) dorme e repousa,
Não tenhas medo a má cousa,
Bendito sejam as almas
Que se deitam nesta hora.

(Pai Nosso)




Ao lavar a cara pela manhã

Minhas mãos molho,
meu rosto lavo,
entrego-me à Virgem
e arrenego o diabo.

(Pai Nosso e Ave Maria )
Aurora Simões de Matos - in "Imagens da beira-Paiva"
Nota: textos com regionalismos.

4 comentários:

Ramos disse...

Não fazem mal. Quanto maior for a fé maior será o beneficio.
Felisberto

Aurora Simões de Matos disse...

Quando eu era mãe recente e amamentava as minhas filhas,muitas vezes usei comigo própria a reza contra a "dada da mama".Realmente...a fé é que nos salva.
Grata,Ramos,pelo teu carinho
Aurora

vô gatão de folgosa disse...

É bem verdade c'afé é que nos salva, querida Rorinha...Muito grato pela ajuda. Bjinho

Aurora Simões de Matos disse...

Não tens que agradecer, Gastão de Folgosa. Sabes que estou aqui com as minhas orações, sempre pronta a ajudar os mais apoquentados por certas moléstias indecifráveis... :).
Nada de que na tua terra, bem perto da minha, não se use e abuse! Certamente. A brincar... a brincar... muitos lá vão parar!!! (às rezas e benzeduras, salvo seja)...

Beijinho divertido