quinta-feira, 14 de junho de 2012

"Fios de teia" - Poema de Aurora Simões de Matos



Fios de teia


Metade do meu ser cheirava a serra
metade do meu ser sabia a mar
Na verdade das águas e da terra
os ecos duma voz e dum olhar

Metade incendiada me aquecia
a outra parte era o meu tumulto
Todo o sistema solar num só dia
todo o fantasma nocturno num só vulto

Duas metades duma lua cheia
dois tons de sangue duma mesma veia
numa árvore de tronco esbelto e forte

Quem tentou os meus destinos separar
encontrou fios de teia a enlaçar
caminhos vários duma mesma sorte

Aurora Simões de Matos
Do livro "Poentes de mar e serra", 1997

6 comentários:

Anónimo disse...

Aurora

O paladar do teu talento pode ser saboreado em quase tudo que é sítio.

1ju
fh

Aurora Simões de Matos disse...

fh

Ao apoio e carinho dos meus amigos, vou buscar o paladar destes momentos de partilha.

Outro
Aurora

Anónimo disse...

É com uma enorme alegria que fico a saber que a posso acompanhar, agora, através de um blog! :)
Está muitíssimo bem e fico à espera de mais novidades!
Muitos Parabéns.

Beijinhos
Daniela Gomes

Aurora Simões de Matos disse...

Querida Daniela
Com a mesma alegria,fico a saber que posso contar com o teu apoio.Como sempre.Preciso da tua presença.E de mais vozes da nossa terra.Divulga.Conto com os jovens de Meã.É muito para eles que escrevo.E por eles.Não será novidade para ninguém.
Um beijo
Aurora

Anónimo disse...

Querida Aurora parabéns pela tua genialidade e pelo teu amor à terra em que nascemos (a Beira-Alta). Somos mulheres de granito mas tu, mais inteligente que eu vais subindo nas asas de Minerva. Continua sempre assim e convida-me sempre para os lançamentos das tuas obras. Todo o carinho, amizade e admiração da colega Maria Eduarda.

Aurora Simões de Matos disse...

Querida Eduardinha

Obrigada pela tua amizade .E pela tua presença.Discreta.Assídua.E pela tua
palavra.De força.Granito.De lucidez.
Água límpida.Caramulo e Montemuro num abraço.Grande,grande!Aurora Simões de Matos