segunda-feira, 25 de junho de 2012

O Verão Chegou

  

NOVAS VIDAS ROMPERAM


Mãos erguidas ao céu, sentido de vitória
no tempo prolongado em tempo de milagre. 




                                                                                          
O Verão chegou sem sequer dar por isso                     
como o sol que se espraia pelo dia                               
como a água que se espalha pela margem                     
como o delírio que corre pelo corpo.                            
                                                                                       
                                                                                      
O Verão cresceu de dentro para fora
e inundou de chama a terra prometida                          
do sangue que escaldava em febre libertada                  
escorreu o suor, as veias latejaram.                                
                                                                                      
O olhar ficou por ele todo ele mais quente                   
que a luz intensa no fogo de viver                                 
e do braseiro que ateou deslumbramentos                    
novas vidas romperam no desdobrar daquela.              
                                                                                       
Mãos erguidas ao céu, sentido de vitória                      
no tempo prolongado em tempo de milagre.





 
A MAGIA DO TEMPO
Entrou pela cancela de um dia aberto
de Primavera ao longe.
Mirou-se em espelho de água
linda de transparência.                                                               
Bebeu a luz sôfrega na magia do tempo
enfeitado de arco-íris a unir dois destinos.
Sonhou. Seu sonho azul de céu.
Seu acordar de mar.
Sonhou ainda mulher pele de menina.
Seu acordar de mar.

Construiu sentimentos e soltou-os ao vento
pela borda de um dia aberto
de Verão tão perto.
Atreveu-se a transformar histórias sem espaço
no espaço de uma história.

Deu de caras com a urgência.
Inventou a sorte e fez-se ao caminho.
Mesmo no centro da Vida, olhou ao redor
e descobriu que os seus mundos
eram sempre circulares.


                                                                               
 CORPO DE LUZ

E as árvores escoando o sol quente
pelos ramos de Verão.
E os frutos maduros num convite
lábios carnudos de prazer contido.
E um corpo de luz dolente
tombando sobre a tarde.
Ouvidos alerta, os olhos num clarão.
Contornos gravados pela mão
o braço caído ao longo
da pele de fogo.
Mesmo defronte, um vulto:
um deus de pedra nu
elevando-se das águas.
Quase um sopro, quase um grito
quase gente.


               



Todos estes poemas,
in "Uma Palavra"
de Aurora Simões de Matos, 2001
Edições Sagesse - Palimage

Sem comentários: